segunda-feira, 9 de junho de 2008

SELEÇÃO BRASILEIRA MASCULINA EVOLUI TAMBÉM NA PARTE FÍSICA

SANTO ANDRÉ/SP (LCS) – Um dos grandes desafios da Seleção Brasileira de Handebol Masculino era se igualar às potências mundiais, tanto técnica quanto fisicamente, o que já vem acontecendo. Nas avaliações físicas, realizadas na última semana, na Escola Paulista de Medicina e no Centro Olímpico, em São Paulo, os resultados mostraram que os brasileiros já estão no mesmo nível de preparação física, e a diferença está somente na estatura dos jogadores.

“Em relação ao condicionamento físico, os jogadores brasileiros estão muito bem, evoluindo cada vez mais, e não deixam a desejar em nada quanto aos europeus. Isso graças aos treinamentos e, principalmente, devido as avaliações periódicas na Unifesp, que são monitoradas por aparelhos de última geração e nos dão o suporte ideal para traçar a linha de trabalho. Já na estatura, ainda não conseguimos nos igualar às Seleções da Europa, pois eles são muito altos”, disse o preparador físico Marcos Antônio Cezar.

Marquinhos afirma que esse problema já está sendo resolvido. “Com toda a filosofia implantada pela CBHb, juntamente com Jordi Ribera (técnico da Seleção Adulta Masculina) de um trabalho tático, técnico e físico unificado entre a Seleção Adulta e as categorias de base e, com a realização das Seletivas, onde buscamos por todo o país jovens talentos que tenham habilidades e uma boa estrutura física, estamos tentando solucionar esse problema”, explicou.

“O nosso objetivo é revelar esses jogadores altos para que sejam bem trabalhados e cheguem na categoria adulto com um bom nível técnico. É um trabalho que vamos obter resultados nos próximos ciclos olímpicos, ou seja, a longo prazo, mas já estamos vendo algumas modificações. A Seleção Juvenil, por exemplo, já está com uma média de altura maior do que a Seleção Adulta, e isso é um fator positivo”, comentou.

O técnico da Seleção Júnior, Sérgio Hortelan, comenta que nas últimas competições internacionais das categorias de base, o Brasil estava até com uma média de altura maior do que algumas Seleções. “Já disputamos alguns campeonatos onde a diferença de altura era muito grande e, atualmente, em relação a estatura estamos bem equiparados com os times europeus e até levamos uma pequena vantagem diante dos países da Ásia e da África. Mostra que estamos evoluindo e próximos de chegar a um patamar ideal”, finalizou.

O próximo compromisso da Seleção Brasileira, nesta fase preparatória para as Olimpíadas de Pequim, será a disputa do Torneio do Egito, entre 19 e 26 de maio, e o Torneio da Macedônia de 28 a 31.

3 comentários:

Emerson disse...

Muito importante esta evolução p/ nossa seleção atual e para as que virão.. quando trabalhamos unindo objetivos a curto prazo e principalmente a longo prazo.. os resultados são sempre positivos.. e não vai ser diferente com este belo trabalho.

Anônimo disse...

isso e muito bom pra nossa seleçao evoluir. mas acho que a seleçao do nivel cadete deveria prestar mas atençao nos jogadores que atuam fora do brasil, pq temos jogadores muitos altos a jogar em portugal. eu sou jogador do benfica de portugal tenho 1.90 metros e fui chamado para me naturalizar portugues mas nao quis porque tenho orgulho de ser brasileiro é isso ai a seleçao devia prestar atençao nos jogadores que jogam fora do brasil

Caio_Riani_Handebol disse...

Acho muito interessante esse trabalho físico que está sendo feito em relação aos jogadores da seleção e também com relação a atletas com estaturas superiores.
Gostaria de saber como e onde a seleção procura por jogadores para ingressar na categoria Cadete (tenho 14 anos e 1,84m e ano que vem entrarei na categoria Cadete).
Caso alguém saiba, por favor me dê um toque.
Obrigado